Pular para o conteúdo principal

ERRO

É a vida do poeta


Por: Paulo J. G. de Souza



Um poeta tem que saber
A letra que faz sua vida girar,
Um poeta tem sempre que saber
A canção que faz seu coração flutuar.

Nas leves curvas dessa letra agarrada,
Nos ganchos e garranchos de uma frase enrolada,
Vou deslizando em minha mente confusa,
Vou desvendando a imaginação que me usa.

Um poeta deve acompanhar
A tradição de sua literatura,
Um poeta deve encontrar
Um oponente a sua altura.

Oponentes não são os inimigos,
Mas o que frustra as minhas ideias,
Pois os maus pensamentos enfraquecem a indexação da criatividade,
E posso não agradar a plateia.

Um poeta, às suas letras,
Nunca deve dizer “não”,
Pois elas são as trombetas,
Do som que está no coração.

Expressar as belezas e tragédias da vida,
É a vida do poeta,
Pois suas palavras após serem lidas,
Nos transmitem a mensagem correta.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Imaginação - Fantasia, magia e ação

Bom dia pra você que me desperta. Mas não me balance muito, pois pode naufragar o navio da minha imaginação. Não puxe meu pé, pois posso pensar ser o Bicho Papão. Não bata tampas e nem panelas, pois pode acordar os Smurfs que acabaram de dormir. Desperte-me devagar para eu poder aproveitar os últimos instantes no mundo que construí.
Nele eu era um rei, conquistador em busca de paz. Enfrentava vários desafios e perigos, pois eu era sagaz. Eu estava com vários amigos que eram como guerreiros leais. Conhecemos várias terras e ilhas, com mil maravilhas e tesouro a mais. Meu castelo era de ouro e eu tenho um touro de estimação. Meu servente não era bem gente, mas era um duende do mais brincalhão. Na cozinha as panelas falavam e a cozinheira era um dragão. O povoado era todo encantado e o meu senado sem corrupção.
Parei por aqui quando me acordou. Já são 6:30hs, que bom que me despertou. Pausarei meu sonho que é a minha realidade. E vou ir pro trabalho onde é a vida de verdade. Num mundo tã…

Desenrolando palavras

Por: Paulo Souza
Sozinho, no silêncio do meu quarto, busco refúgio nas palavras que se desenrolam sozinhas em apenas um pensar.
Ouvindo em meu fone de ouvido o som do rádio tocando músicas e mais músicas, algumas ao vivo, com o som da plateia ao fundo, tão felizes. E eu aqui, sozinho no meu quarto me refugiando nas palavras.
Amando um amor incerto, mas quem disse que se precisa de certeza para amar? Afinal, os olhos vêem e o coração aceita, quando os olhos não vêem, o coração duvida, mas quem disse que os olhos vêem o coração do outro? Os olhos não vêem nem o próprio coração.
Mas o que meus olhos viram naquele dia, meu coração aceitou, não sei se acertou, mas o tempo me dirá.
O tempo está passando e meu coração ainda sente pelos olhos que se apaixonou. Enquanto meu coração espera, me refugio nas palavras que se desenrolam.
De vez em quando meus olhos se iludem, enganando meu coração, machucando meu corpo. Buscando um prazer passageiro, me aventuro em outros corpos, conhecendo outros o…

Insignificante herói

As vezes eu penso tanto em ser o herói da história que esqueço de notar a realidade.
Se eu fosse da turma do Scooby Doo eu seria o Salsicha. Se eu fosse um Smurf eu seria o Desastrado. Se eu fosse do He-Man eu seria o Gorfo. Se eu fosse dos Thundercats eu seria o Snarf. Se eu fosse até da Barbie Farrytopia eu seria o Bibo. Se eu fosse dos Power Rangers eu seria o Alpha. Se eu fosse dos sete anões eu seria o Dunga. Se eu estivesse na Caverda do Dragão eu seria o Presto, mas eu não presto. É tanta comparação ruim que chega dói. Tan tan tan tan... Insignificante herói.